sexta-feira, 17 de agosto de 2018

[JORNADAS HQs/USP 2018] Confira as comunicações orais e os lançamentos da IV Sacerdotisa nas 5as Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos da USP



Com muita honra e alegria estarei participando mais uma vez das Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos da USP, e nesta 5ª edição não apenas com apresentação de trabalho, mas também coordenando GT "Quadrinhos, educação e cultura VIII", lançando meu livro, outro livro da editora ASPAS na qual tenho capítulo publicado e fanzines!
Confira os dias, horários e locais da minha atuação nas 5as Jornadas:

23/08 - Estarei coordenando GT com apresentações de trabalhos e apresentando a minha comunicação oral:
LOCAL/HORA: SESSÃO 3 14h às 15h30 



Estarei apresentando o trabalho "HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NO ENSINO DE CIÊNCIAS: A IMPORTÂNCIA DO PROCESSO CRIATIVO" 

Publicado no Caderno de Resumos

23/08 - SESSÃO COM LANÇAMENTO DE LIVROS

Estarei lançando o meu "Agartha: Símbolos e Mitos nos Quadrinhos Poético-Filosóficos" (confira aqui o post com detalhes sobre o livro)
HORA/LOCAL: das 19:15 às 20:15 na sala Egon Schaden na ECA/USP

Imagens do livro e divulgação nas redes:


Livro de Danielle Barros

Livro de Danielle Barros

Livro de Danielle Barros

Divulgação do livro:


No instagram das Jornadas e na página no facebook

No meu facebook e aqui no blog com grande repercussão =)

Além do meu livro solo, tem o livro "Quadrinhos & Educacão volume 4" no qual sou co autora de um dos capítulos falando sobre HQforismos, junto com o Ciberpajé Edgar Franco:
Capa do livro 

Estarei lançando também meu fanzine SombrYLuz e Equilíbrio Dinâmico!

"Abra a janela do zine SombryLuz e adentre esse universo! Ao folhear as páginas tem selos que devem ser rompidos. Tiragem limitada."
O zine teve lançamento durante o Fórum Nacional de Pesquisadores em Arte Sequencial (IV FNPAS) no IFF em Macae, RJ e agora nas Jornadas na USP! 


Eu na Fanzinoteca do IFF

Zine SombrYLuz de Danielle Barros

Zine SombrYLuz de Danielle Barros

Zine SombrYLuz de Danielle Barros

Algumas páginas internas:

Zine SombrYLuz de Danielle Barros

Zine SombrYLuz de Danielle Barros

Zine SombrYLuz de Danielle Barros

Zine SombrYLuz de Danielle Barros

Fanzine Equilíbrio Dinâmico #5 (este em parceria com o Ciberpajé)!
Capa de Equilíbrio Dinâmico#5

Confira toda programação do evento e demais INFORMAÇÕES NO SITE DO EVENTO http://www2.eca.usp.br/jornadas/
ESPERO VOCÊS LÁ!

[CONVITE] Lançamento do livro de Danielle Barros durante as 5as Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos na USP

Print do livro sendo divulgado com destaque no site da Editora Marca de Fantasia



CONVITE DE LANÇAMENTO:
O livro "Agartha: símbolos e mitos nos quadrinhos poético-filosóficos" foi um dos selecionados pela curadoria da Organização das 5as. Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos da USP para a sessão de autógrafos dos lançamentos (livros acadêmicos) desta edição no evento!
Será dia 23 de agosto, das 19:15 às 20:15 (sala Egon Schaden na ECA/USP).

Mais detalhes sobre a publicação:

LIVRO "Agartha: símbolos e mitos nos quadrinhos poético-filosóficos"

Agartha é um álbum em quadrinhos do gênero poético-filosófico criado por Edgar Franco e publicado pela editora Marca de Fantasia em 1998, com segunda edição publicada em 2002. Esse gênero genuinamente brasileiro tem como duas de suas características principais: a intencionalidade poética e filosófica; e a inovação na linguagem quadrinhística. Trata-se de uma obra singular concebida como uma reflexão fantástico filosófica que questiona a concepção arquetípica de paraíso/éden existente em diversas religiões ao redor do mundo, como no Cristianismo, Judaísmo e Maometanismo. O álbum investe no potencial poético e experimental das HQs poético filosóficas, e em múltiplas simbologias alquímicas e esotéricas. Este livro objetiva apresentar aspectos simbólicos e míticos presentes no texto e arte de Agartha, assim como as reflexões filosóficas propostas sobre a concepção de um éden transcendente e os dilemas existenciais que envolvem essa concepção fundamentadas segundo conceitos filosóficos de Jung, com algumas referências a Chauí, Blavatsky e Chardin.   Para Edgar Franco, Danielle Barros debruçou-se sagazmente sobre cada uma das páginas da obra, investigando os símbolos pregnantes e suas conexões com a narrativa em Agartha. Desvendando elementos sutis com uma excelente e sintética fundamentação teórica, trazendo luz a muitos aspectos herméticos da história e renovando o interesse de futuros leitores e pesquisadores dos quadrinhos poético-filosóficos. 


SERVIÇO:
Agartha: símbolos e mitos nos quadrinhos poético-filosóficos 
Danielle Barros 
Paraíba: Marca de Fantasia, 2018. 
88p. 14x20cm. R$ 25,00

Adquira o seu entrando em contato com a autora ( danbiologa@gmail.com ) ou com a Editoria Marca de Fantasia, clicando na imagem abaixo:

Editora Marca de Fantasia

terça-feira, 7 de agosto de 2018

Livro de Danielle Barros é selecionado para compor a noite de lançamentos e autógrafos durante as 5as. Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos da USP

Capa do livro. Arte Edgar Franco

Em e-mail enviado 31 de julho de 2018, a Comissão de Organização das Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos informou a lista de livros já selecionados pela curadoria para lançamento e sessão de autógrafos das 5as. Jornadas Internacionais de HQs, e o livro "Agartha: Símbolos e Mitos nos Quadrinhos Poético-Filosóficos" sobre a obra do Ciberpajé Edgar Franco está entre os aprovados!
A noite de lançamentos será dia 23 de agosto, das 19:15 às 20:15 (sala Egon Schaden na ECA/USP).


Release - LIVRO "Agartha: símbolos e mitos nos quadrinhos poético-filosóficos"


Agartha é um álbum em quadrinhos do gênero poético-filosófico criado por Edgar Franco e publicado pela editora Marca de Fantasia em 1998, com segunda edição publicada em 2002. Esse gênero genuinamente brasileiro tem como duas de suas características principais: a intencionalidade poética e filosófica; e a inovação na linguagem quadrinhística. Trata-se de uma obra singular concebida como uma reflexão fantástico filosófica que questiona a concepção arquetípica de paraíso/éden existente em diversas religiões ao redor do mundo, como no Cristianismo, Judaísmo e Maometanismo. O álbum investe no potencial poético e experimental das HQs poético filosóficas, e em múltiplas simbologias alquímicas e esotéricas. Este livro objetiva apresentar aspectos simbólicos e míticos presentes no texto e arte de Agartha, assim como as reflexões filosóficas propostas sobre a concepção de um éden transcendente e os dilemas existenciais que envolvem essa concepção fundamentadas segundo conceitos filosóficos de Jung, com algumas referências a Chauí, Blavatsky e Chardin. Para Edgar Franco, Danielle Barros debruçou-se sagazmente sobre cada uma das páginas da obra, investigando os símbolos pregnantes e suas conexões com a narrativa em Agartha. Desvendando elementos sutis com uma excelente e sintética fundamentação teórica, trazendo luz a muitos aspectos herméticos da história e renovando o interesse de futuros leitores e pesquisadores dos quadrinhos poético-filosóficos. 

SERVIÇO:
Agartha: símbolos e mitos nos quadrinhos poético-filosóficos 
Danielle Barros 
Paraíba: Marca de Fantasia, 2018. 
88p. 14x20cm. R$ 25,00

Em breve novas informações. Espero todos vocês nesse lindo evento!!

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

[Resenha] ECOS HUMANOS: Visceralidade poética e reflexões essenciais em obra de Edgar Franco e Eder Santos

Sempre começo meus textos sobre as obras do Ciberpajé com uma sentença mântrica "é sempre um desafio escrever sobre as obras do Ciberpajé!" Principalmente porque suas criações suscitam muitos sentimentos, interpretações, lembranças e links que emergem em mim de forma caótica, de forma que é complexo transformar uma experiência em um simples texto. Além disso, após ler um álbum desse sempre fica uma sensação de impacto e faz-se necessário um tempo para maturação de um texto. Dito isso, sem a pretensão de querer expressar tudo que a obra suscitou em mim, teço alguns comentários sobre o álbum ECOS HUMANOS, de autoria de Eder Santos e Edgar Franco.
A capa é um deslumbre, a arte do Eder Santos nessa obra casou de forma simbiótica com a sensibilidade poética e conceitual que Franco trabalha em suas obras, o traço do Eder, a escolha das cores, a simbologia de cada item que compõe esta capa, é para ficarmos olhando e contemplando por um tempo. O totem Lobo, marca do Ciberpajé, a borboleta sinalizando a vida e o renascimento, o esqueleto acima do lobo, lembrando da finitude da vida, a floresta púrpura (a cor que tem simbologia transcendental) ao fundo, ressecada e pronta a novos ciclos, e o cogumelo como mais um signo da transcendência. 


Capa de ECOS HUMANOS

Na página seguinte, um lobo guará com terceiro olho em traços luminosos com o fundo preto é um sigilo icônico que abre esta linda e sensível obra!
Quando iniciamos a leitura imagética nesta HQ sem textos, mergulhamos partindo do espaço cósmico para o planeta Terra. Ou seja, meu Eu Superior-leitora, não estava no planeta Terra, e sim no espaço, e sou conduzida a me deslocar ao Planeta Pós-humano, numa época posterior à Aurora Pós Humana (antes de prosseguir a leitura, me perguntei se eu gostaria de viver nessa era...).

Página de ECOS HUMANOS

Página de ECOS HUMANOS

Aterrissei neste mundo novo, e mergulhei na história, cujos principais personagens aparecem logo nas primeiras páginas: um Lobo mestre e o lobo neófito.
Embora seja uma tentação, não detalharei toda trama, de modo a não tirar a surpresa de quem vai ler, mas é pertinente destacar nesse texto algumas questões que a obra apresentou e que tocou-me profundamente,- e que acredito serem dilemas que dizem respeito a todos os seres viventes na Terra. 
Primeiro, a questão da escassez de alimento e da água, no mundo em que vivemos. Por exemplo,  o "Dia da Sobrecarga da Terra" (Earth Overshoot Day), tem sido calculado anualmente desde 1970, e marca a data a partir da qual o consumo de recursos naturais ultrapassa a capacidade de regeneração dos ecossistemas para o ano. Mais uma vez, essa data chegou mais cedo, em 2018 o Brasil superou média mundial. Em 2018, no dia 01 de agosto, o ser humano já esgotou todos os recursos da Terra disponíveis para o ano. Ou seja, ainda faltam cinco meses para o final do ano, mas a partir desta data o planeta não consegue regenerar mais os recursos sozinho. Mesmo assim a raça humana segue sua sanha por hiperconsumismo e destruição dos recursos naturais, por conta do seu vazio interior. A obra traz isso de forma muito forte.
Vale destacar que a relação da humanidade consigo mesma, com o meio ambiente e outras espécies é uma das principais premissas abordadas nas obras de Franco, ambientadas no seu universo mágicko Aurora Pós-Humana, e nesta obra isso aparece de forma muito visceral. Outras questões abordadas que se relacionam aos conflitos que vivemos são: o dogma (seja religioso, ideológico ou econômico); a capacidade de resiliência diante das intempéries da vida (representada pelas tempestades de areia e ventania) nos lembrando que tudo gira, que tudo é mutável e que devemos nos adaptar ou sucumbir; a competitividade (seja pelo alimento, pela sobrevivência, avareza, pelo medo ou pela soberba); empatia/falta de empatia para com o outro (alteridade); a relação de mestre/discípulo, as consequências das escolhas e dos Caminhos trilhados; a importância de estarmos no agora (e não na ansiedade do passado ou futuro); Vida, luto, solitude; da teia cósmica que une todos os seres; e também sobre a condição mágica que a vida oferece para todos aqueles que estão despertos e atentos para o instante e as sincronicidades, representado pela descoberta dos cogumelos entegónenos como um portal para novas dimensões. 


Página de ECOS HUMANOS


Página de ECOS HUMANOS

A partir de então, o álbum segue com suas páginas e composições deslumbrantes e expressivas, mostrando - com uma poesia eminentemente filosófica, - um vislumbre do SALTO no abismo individual, a coragem de enfrentar a si mesmo, os próprios medos, e avançar, no lindo, necessário e doloroso processo de auto descoberta!
Lendo a obra, lembrei-me de diversas obras de Franco, desde aforismos, ensaios fotográficos conceituais, performances, palestras, HQforismos, músicas, pois o ideário que permeia as criações de Edgar retoma sempre questões limítrofes e dilemas existenciais, que em muitas vezes chega a soar apocalíptico. Muitos pensam que a obra de Edgar por se passar no "futuro" estaria desconectado da realidade, porém ele usa essa estratégia de "deslocamento conceitual" apenas para discutir problemáticas atuais em um ambiente futurista, mas que por vezes parece já estar acontecendo no agora.
Uma vez em uma palestra, vi uma pessoa interpelar o Ciberpajé com uma pergunta que consistia em saber "por que a obra dele não tinha um engajamento político?" - Ele respondeu que sua obra era a mais política (não partidária) de todas, pois falava da única forma de mudar o mundo a partir da transformação individual! De fato, é fácil ter a presunção de querer mudar o mundo, contudo conseguir dominar a própria Vontade é a tarefa mais difícil e a mais importante de todas, e só a partir da mudança de cada ser poderá haver uma mudança na mentalidade coletiva.
As obras do Ciberpajé, e esta em especial em parceria com Eder Santos, são obras importantíssimas porque elas tratam de questões urgentes, pertinentes e intrínsecas a todos nós, de uma forma poética, mas incisiva, que nos faz fruir e refletir sobre sobre o mundo, sobre os outros e principalmente  nós mesmos.
Quando deparei-me com a página final, emocionante e deslumbrantemente bela, lembrei-me de cabeça de um aforismo que nasceu entre uma de nossas conversas e acho que é perfeito para finalizar meu texto sobre essa obra tão profunda e linda:

"Onde você enxerga o fim, 
eu vejo o recomeço. 
Onde você vislumbra a dor, 
eu percebo a evolução. 
A revolução de si." (Ciberpajé)

Um comentário sobre o bater da borboleta caótica em que gostaria de destacar algo muito peculiar. A borboleta Monarca (Danaus plexippus) que está na capa e em outros momentos da obra é um símbolo de beleza, sensibilidade e muita força. Para quem não sabe, a migração das borboletas Monarcas é um dos eventos mais magníficos da natureza. A viagem começa no Canadá e norte dos EUA com destino ao México. Mesmo com porte pequeno, viajam cerca de 50 quilômetros por dia, onde muitas perdem suas vidas ao longo do caminho. A viagem dura cerca de 4000 km para fugir do inverno. Ao longo do caminho as fêmeas põem seus ovos sobre ervas, arbustos e árvores que darão origem a novas borboletas que vão seguir o voo de volta da primavera. Por ter um ciclo de vida muito curto, nenhuma das borboletas que parte da migração saindo do ponto inicial consegue completar o percurso migratório. Com isso, as Monarcas das quartas ou quintas gerações são as que chegam ao destino para completar sua missão.



Detalhe da capa de ECOS HUMANOS

Essa condição me fez lembrar uma HQ do Ciberpajé “O Desenvolvimento”, presente no álbum Oráculos. Na história, os guardiões ancestrais que ao longo de diversas gerações, cuidavam, guardavam, tocavam a flauta, encantando, cativando aquela semente que apenas um dos guardiões iria contemplar florescer. 


Página da HQ "O Desenvolvimento" presente no álbum Oráculos, autoria Ciberpajé

Página da HQ "O Desenvolvimento" presente no álbum Oráculos, autoria Ciberpajé

A essência da HQ tem estreita relação com a simbologia do processo migratório das monarcas, pois quando iniciamos uma jornada ou semeadura talvez não estejamos presentes para contemplar a culminância luminosa do ciclo iniciado, PORÉM O IMPORTANTE É DISSEMINAR A SEMENTE CÓSMICA.

Portanto, unindo as simbologias da HQ “O Desenvolvimento” e da migração das borboletas monarcas, espero que ECOS HUMANOS possa semear muitos corações ao longo do tempo e espaço, proporcionando reflexões que possam contribuir para mundos melhores (tanto para o cosmo interno quanto para o cosmos externo), e ainda que seus autores e nossa geração atual não venha vislumbrar os efeitos que ECOS HUMANOS possa proporcionar, anseio que ela cumpra seu papel através da ressonância de sua poética através das gerações.
A obra conta ainda com um texto sagaz do Dr Rubens Baquião e fecha com alguns estudos e layouts da construção dos personagens e cenários.
Gostaria de parabenizar os autores Edgar Franco e Eder Santos, bem como a  editora Reverso,- que com sua linha conceitual nasce das HQs autorais e undergrounds - publica mais uma obra de grande qualidade, que está unicamente dedicada a expressar o experimentalismo e a filosofia de seus autores, não sucumbindo aos meros interesses/demandas/nichos preestabelecidos pelo mercado. Ou seja, uma obra que sai das vísceras de seus criadores e nos atinge de forma fulminante! Além da obra em si, que já é um presente aos leitores, ainda tive a honra de ter um dos autógrafos mais lindos e mais mágicos que eu já ganhei: uma Sacerdotisa-Centaura Pós-Humana feita especialmente para mim pelo Mestre Ciberpajé Edgar Franco. 


Autógrafo do Ciberpajé em meu exemplar de Ecos Humanos

ÁLBUM EMOCIONANTE, RECOMENDO FORTEMENTE! 
PARABÉNS e grata pelo presente!


 
Eu com esse álbum LINDO!

Saiba mais e adquira seu exemplar do álbum nesse link: https://ciberpaje.blogspot.com/2018/05/ecos-humanos-novo-album-em-quadrinhos.html

domingo, 22 de julho de 2018

[LANÇAMENTO] Coleção "Arcanos Maiores do Tarô de Marselha" por IV Sacerdotisa Danielle Barros



A Coleção "Arcanos Maiores do Tarô de Marselha" criada pela IV Sacerdotisa Danielle Barros surgiu a partir de estudos como iniciante sobre o Tarô e inspirada nos arquétipos de cada Arcano Maior, unindo a simbologia de cada carta com elementos da natureza (flores e folhas naturais) para compor cada peça. 
Quem quiser adquirir: Favor entrar em contato com Danielle por e-mail ou mensagem informando qual peça quer comprar. O pagamento é aguardado em até 24 horas (após o contato) via depósito bancário pela CAIXA ou Banco do Brasil, necessário enviar o comprovante. 
Não reservamos peças! A venda é feita por ordem de pedido/mensagem. Depois de confirmado o pagamento, os pedidos são enviados a partir do dia 30/07/2018.
Cada peça acompanha cordão (conforme mostrados nas fotos), a peça é feita com flores naturais em base e cordão de metal.
Peças em pronta entrega, novo lote está sendo criado.


Confira as primeiras nove peças da coleção (clique na imagem para ampliar): 

XVII. A Estrela O Arcano da Esperança, do Crescimento e da Geradora do futuro - Simbologia





PEÇA VENDIDA

XIV. A Temperança O Arcano da Inspiração e da Alquimia - Simbologia
Preço: 74 reais + envio (verificar)







XVIII. A Lua O Arcano da inteligência instintiva, dos ciclos vitais - Simbologia
Preço: 65 reais + envio (verificar)
 Modelo 1







modelo 2 
Preço: 83 reais + envio (verificar)






XII. O Pendurado (O Enforcado) O Arcano da Fé, da aspiração Espiritual - Simbologia
Preço: 56 reais + envio (verificar)





XVIIII ou XIX. O Sol O Arcano da consciência, clareza e intuição - Simbologia
Preço: 65 reais + envio (verificar)






VII. O Carro O Arcano do Domínio, do Repouso - Simbologia
Preço: 65 reais + envio (verificar)







I. O Mágico ou O Mago O Arcano da Mística, da Concentração, do Impulso Criador - Simbologia
Preço: 47 reais + envio (verificar)





XI. A Força O Arcano da Virtude e do predomínio da Qualidade - Simbologia 
Preço: 83 reais + envio (verificar)







Detalhe que ao fundo da peça tem um trevo da sorte!











Peças e fotos de Danielle Barros. 

ARTISTA
Danielle Barros é a IV Sacerdotisa da Aurora Pós-Humana, artecientista, bióloga (UNEB), mestre em Ciências (ICICT/Fiocruz) e doutora em Ensino de Biociências e Saúde (IOC/Fiocruz). Professora na Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Atua como arte educadora com quadrinhos e fanzines no ensino de biociências e saúde. Escreve poesias, ilustrações, quadrinhos e fanzines. Cria jóias utilizando cápsulas de vidro com elementos encontrados na natureza.
Natural de Itabuna-BA, residente em Teixeira de Freitas-BA, cidadã do Cosmos.