quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Oficina de fanzines com estudantes do movimento OCUPA UNEB no Campus X

A convite dos/as estudantes do Movimento Ocupa Uneb - Campus X, em Teixeira de Freitas (BA), desenvolvemos uma oficina de zines que durou a tarde e o começo da noite do dia 16/11! 
Foram dois grupos que participaram se revezando, totalizando cerca de 15 participantes.
A oficina teve três momentos, primeiro uma conversa sobre as origens do fanzine entre os fãs da ficção científica nos anos 30, sua popularização com o movimento da contra cultura punk e com a chegada da máquina de xerox, e outros momentos históricos, destacando seu valor enquanto mídia alternativa contestadora. 
Depois falamos sobre os formatos, como montar o boneco, tipos de dobraduras, paginação, e uma exposição de zines da fanzinoteca Sibilante para inspirar os criadores! 
Depois tivemos o momento de criação dos zines em que os/as estudantes desenharam, recortaram, colaram e passaram horas e horas elaborando e divertindo-se na confecção de zines. 
Por fim, cada pessoa ou dupla apresentou seu zine falando sobre o processo criativo, o tema, recitando ou lendo-o, falando sobre os desafios e as descobertas em ser criadores!
Foram 13 zines de uma a 16 páginas cada um, com diversas técnicas e temáticas!

Gostaria de agradecer o convite, e dizer que para mim é uma honra e alegria estar na UNEB (universidade em que me formei), nesse momento tão importante de resistência e luta contra a PEC 55 e todos os desmandos desse governo ilegítimo. Os zines criados durante a oficina serão disponibilizados on line, em breve!

Vejam algumas fotos dessa tarde/noite criativa com pessoas especiais:

 Zines criados durante a oficina OCUPA UNEB logo estará disponível on line!





























 Parte da turma!























Os fanzines são uma forma de arte em que se exerce a autoralidade, o protagonismo e uma forma de fazer circular nossas próprias vozes, ideias e pensamentos, sem censura, sem editor, sem submissões. 
Espero que os zines sejam apropriados cada vez mais em todos os âmbitos da vida, seja na expressão poética, educacional, política, crítica e filosófica. A meu ver, apropriar-se de como fazer zines nesse contexto de crítica e resistência política e social é fundamental, sobretudo em um país como o nosso em que as mídias são oligopólios concentrados nas mãos de poucas famílias abastadas. Sim, vamos criar nossa própria mídia independente!

FOI LINDO! Espero voltar mais vezes com novas oficinas!
Gratidão a todos/as que participaram: Mateus, Kevelin, Samara, Eliana, Ramon, Yasmin, Tallitha, Carlos, Esperidião, Jaqueline, Carla, Alane, Caio, Luci, Mariana, Pedro Jorge e Jorge (espero não ter esquecido de ninguém) e pela oportunidade de estar com vocês!

Editado: Olha que chique eu na programação!