segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Monalisa Wazlawick comenta suas impressões sobre os fanzines Uivo, Ecos do Todo, Presença Focada e HQcrônicas, confira!

Olá, vou tecer meus comentários e pontos de vista a respeito dos zines Uivo, Ecos do Todo, Presença Focada e HQcrônicas. 
Ecos do todo, fiquei muito surpresa com sua técnica e o tempo estipulado pelos aforismos e ter feito um trabalho que transcende horizontes, pois os traços estão ligados ao texto. O lado humano vinculado a natureza, os animais, flora e fauna, renovação diária para renascer a cada dia, ligados também ao lado espiritual, mas sem ligações com religiosismos e sim com a essência, sem dogmas sendo cada um deus de si mesmo, de dentro para fora, sem buscas externas. Fora para dentro só a interação com a natureza, o silêncio e introspecção necessários.
HQcrônicas trata de algo bem vinculado ao lado egoísta, mesquinho e superficial do ser humano quando atribuímos a outros as derrotas, erros, mas abandonar gostos, hábitos, pessoas, aptidões em nome de outro alguém é um erro que muitos comentem, porém não se dão conta, amor, harmonia tem sintonia com ser você mesmo, apesar de desagradar alguns, quem muito quer agradar outra pessoa e abre mão de sua vida a tendência é a insatisfação, destruição e frustração futuros, pois relacionamentos tóxicos não estão vinculados com um companheiro, namorado ou marido, mas também amizades, família. É preciso quebrar os grilhões para ser livre para voar e viver.
Presença focada foi minha primeira leitura, porém a mais profunda no sentido humano aliado arte a textos profundos quanto a atitudes instintivas do ser humano, olhar para si mesmo, menciona sobre egoísmo, momentos de solidão necessários, alegrias e tristezas, curas e dores, momentos bons e ruins tão cotidianos e humanos, toca em um ponto muito importante algumas mensagens aliadas aos traços como a diferença gritante entre ter e ser, compartilhar e competir, este trabalho deveria ser obrigatório nas escolas, mas este é um outro assunto.
Uivo, sou muito suspeita ao tratar sobre Edgar Franco, amigo de mais de vinte anos, embora nosso contato pessoal foi uma única vez em São Paulo quando deu uma palestra na UNESP, admiro seu trabalho, textos e traços mostram a podridão do ser humano quando se farta de tragédias, notícias ruins e mal alheio, mas está livre quem ignora tudo isso e segue em frente contra tudo e todos, é um exercício diário, mas válido para uma limpeza interna necessária, viver o hoje, pois o passado já foi e o futuro uma incerteza, porque relembrar se podemos desfrutar do agora.

Esta é meu comentário e considerações.

Beijos e um abraço afetuoso, Monalisa
Leomar e Monalisa com os zines da Aurora Pós Humana em mãos!
Este texto da Monalisa foi postado como "comentário" em uma postagem do blog, mas achei que merecia virar um POST aqui, gratidão profunda por cada palavra e pelo tempo que dedicou a nos escrever sobre suas impressões!